Imigração, Itália, Refugiados

Dia Mundial do Refugiado 2019

Hoje, 20 de junho, se recorda o Dia Mundial do Refugiado e, de onde vos escrevo, os motivos para celebrar são poucos. Havia preparado um texto formal (que sairá em breve) com os novos dados recém-publicados pelo ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados – que comprovam uma tendência massacrante: nunca da história da humanidade tivemos tantos homens, mulheres e crianças obrigados a fugir e deixar o próprio país para escapar de guerras, violências, perseguições, fome, doenças e pobreza. Mais precisamente, cerca de 70 milhões de pessoas atualmente vivem “em fuga”, em situações nas quais, na maioria das vezes, não possuem nem o direito de ter direitos.

IMG_4755Havia pensado em um texto de protesto, expondo os absurdos que diversos governos (inclusive e sobretudo o Italiano) estão fazendo com essas pessoas. Por aqui, um novo decreto, de outubro de 2018, tem tornado a vida dos refugiados cada vez mais difícil, levando-os à quase completa marginalidade. Pensei, também, num texto expondo os obscenos acordos bilaterais entre Itália e grupos beligerantes Líbicos, nos quais dinheiro público italiano financia uma guerra da outra parte do mediterrâneo e obriga milhares de refugiados a viver em situações de tortura, estupros, venda de órgãos e de pessoas. Afinal, jogar a poeira pra baixo do tapete é a solução sempre mais fácil, já que toda tragédia só me importa quando bate na minha porta.

Havia pensado em um texto contando a minha experiência no porto nestes 2 anos e meio com a Cruz Vermelha, afinal, grande parte dos muitos refugiados que eu vi passaram por mim através dos desembarques em Augusta/Sicília. Havia pensado, talvez, em um texto sobre projetos de integração que deram certo. Talvez dar exemplos de meninos e meninas que, muita embora tudo fosse contrário, conseguiram integrar e agora conseguem sobreviver, trabalham, estudam e se sentem seguros.

Pensei inúmeros caminhos, consciente que nenhum deles expressaria a totalidade do que o dia de hoje representa.

IMG_6758
Trabalho fotográfico incrível do fotografo turco Uğur Gallenkuş.
Siga-o: https://www.instagram.com/ugurgallen/

Decidi, então, que neste 20 de junho, faria algo simples: daria nome aos bois! Sim, porque muito embora a realidade insista em tratar essas pessoas como números, esses milhões de refugiados que vemos nos telejornais são milhões de “Um’s”: são Amadous, Mohameds, Mariam; São pais, mães, filhos, irmãos, netos, sobrinhos, amigos; São padeiros, vendedores, estudantes, pedreiros, donas de casa; São e continuarão sendo, ainda que tudo vá contra, SERES HUMANOS, com rosto, história, nome, sobrenome e sonhos.

 

Nesses dois anos e meio que estou na Sicília me aproximei e trabalhei muito com um centro de acolhida para menores não-acompanhados chamado (curiosamente) “Casa Freedom”. Ali pude notar que membros da equipe de trabalho cuidavam dos meninos com algo a mais: eles não eram o Desembarque número “28291-A de 17 de dezembro”. Eles eram tratados como pessoas e todos, sem exceção, ali trabalhavam com amor e paixão. Espero um dia escrever mais sobre tudo de bonito que pudemos fazer pelos meninos ali em Casa Freedom.

Dois dias atrás, o centro foi fechado, colocado contra as cordas pelas novas políticas de imigração acima citadas e que não se importam com os seres humanos ali presentes. Os meninos tinham três opções: serem transferidos para outros centros longe de onde já haviam minimamente reconstruído a vida, encontrado um trabalho e uma escola; recusarem à acolhida e ir para a rua, deixados à própria sorte. Muitos escolhiam a terceira (e mais perigosa) estrada: escapar para outros países (como França e Alemanha), nos quais ainda reside uma falsa ilusão de trabalho farto, assumindo assim a clandestinidade. Casa Freedom já hospedou mais de 150 menores e, atualmente, não contava com mais de 30.

90A7E802-1C0E-4466-BF93-FEC1AE5D5F78
Mesmo lugar, dois momentos diferentes

Na noite do seu fechamento, eu e outro voluntário tivemos a oportunidade de retornar ali, na surdina da noite. Encontramos 8 meninos que decidiram ficar, ainda que as ordens para seu fechamento eram claras. Desses, 4 meninos já havíamos contatado dizendo que os auxiliaríamos para não ir para a rua. Meninos como todos os outros, com histórias de sofrimento e tristeza, mas com muita força de vontade e resiliência. Comemos uma última refeição naquele mesmo espaço no qual havíamos feito diversas atividades com música e dança, onde tínhamos ensinado italiano para inúmeras crianças refugiadas e que, naquele momento, era o símbolo da desumanidade.

 

A difícil tarefa de escolher a respeito da vida dos outros

Muitos precisavam e mereciam. Não tenho dúvida. Contudo, fizemos o que estávamos ao nosso alcance. Não pensem que tem sido fácil dormir nos últimos dias: a crise moral pelo desejo de fazer mais aperta, a “culpa” ética de decidir pela vida de outros arrebata, a escolha de quem tem o direito e quem não tem consome, a decisão de quem terá a chance de continuar e pra que a viagem vai recomeçar inquieta. São, atualmente, 70 milhões de Amadous, Mohameds e Mariams. 70 milhões de histórias, de sonhos e de olhares. 70 milhões de Um’s.

E se você chegou até aqui, deve estar se perguntando: Cara, e agora?

Bom, eu te respondo com outras perguntas, adaptadas de Michel Quoist:

O que seria da música sem cada nota? Do livro sem cada página? Da página sem cada letra? Do rio sem cada gota? Do mar sem cada rio? E se a pedra dissesse: “não é uma pedra que possa levantar um muro”, não haveria casa. Se o homem dissesse: “não é um gesto de amor que pode salvar a humanidade”, nunca haveria justiça ou paz, dignidade ou felicidade. Como a sinfonia precisa de cada nota, como o livro precisa de cada palavra, como a casa precisa de cada pedra, como o oceano precisa de cada gota de água, como a colheita precisa de cada grão, toda a humanidade precisa de ti, do teu pouco, daquilo que acha ser pouco.

O sorriso de um refugiados: pagamento maior não há

O que me motiva, a cada dia, e em especial no dia de hoje, 20 de junho, é ter a consciência que o mundo é mudado nas pequenas atitudes de pequenas pessoas em pequenos lugares (parafraseando Galeano). Ainda me motiva saber que posso não ter transformado o mundo, mas 4 mundinhos hoje ainda dormem com esperança no futuro.

E ahh, os nomes: Karfala, Saliou, Komara e Ubaydul! Para eles, o meu pouco com todo amor. Fique com esses sorrisos que tivemos em nossa mesa e pense: Qual é o pouco que eu posso fazer?

0BF5AFD6-D8D7-487D-AF40-12641B7CB81A

Sei que não dá pra mudar o começo. Mas se a gente quiser, dá pra mudar o final.

Um comentário em “Dia Mundial do Refugiado 2019”

  1. Obrigado por despertar a sensibilidade que às vezes, parece desaparecer pela acomodação anima vida normótica (normalmente neurótica). Amar a humanidade é mais fácil que as pessoas concretas.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s